Nascido na Ilha de Tenerife, no arquipélago das Canárias, em Espanha, P. José de Anchieta chegou ao Brasil muito novo. Tinha apenas 19 anos em julho de 1553, e tinha entrado para a Companhia de Jesus apenas dois anos antes.
José de Anchieta, "de estatura média, magro, mas forte e decidido no espírito, bronzeado na cor da pele, de olhos azuis, fronte larga, alegre e amável de caráter”, passou 44 anos da sua vida percorrendo boa parte do território do Brasil, levando a boa notícia do Evangelho aos indígenas.Terceiro dos dez filhos da família de López de Anchieta e Diaz de Clavijo, José de Anchieta nasceu em Tenerife (Espanha) em 1534. Parente na linha paterna da família dos Loyola, nas suas veias corria, herdado dos avós paternos, o sangue dos judeus convertidos. Logo foi convidado a estudar na Universidade de Coimbra em Portugal no triénio de ouro do recém fundado Colégio das Artes. A sua vocação à vida religiosa nasceu num clima de ideias e de liberdades morais que não a favoreciam. Mas talvez tenha sido estimulado pelo exemplo de alguns companheiros jesuítas, que eram influentes na universidade. De facto, as cartas de S. Francisco Xavier mexiam com a juventude universitária de toda a Europa.
Admitido ao noviciado pela Companhia de Jesus a 1° de maio de 1551 na Província de Portugal, contraiu uma grave forma de tuberculose ósseo-articular que, aos 17 anos de idade, provocou nele uma curvatura na coluna. A sua preocupação em ser considerado inútil para o apostolado foi muito aliviada pelas palavras consoladoras do P. Simon Rodrigues, fundador da Província de Portugal: “Não se preocupe com esta deformação, Deus quer que seja assim”. No ar pairava esperança: começavam a chegar do Brasil as cartas do P. Manoel da Nóbrega, que exaltavam a salubridade do clima daquelas terras para qualquer tipo de doença. E para aquelas terras Anchieta partiu a 8 de março de 1553, com a terceira expedição de jesuítas que embarcavam com destino ao Brasil. O jovem e doente jesuíta tinha já professado os seus votos de pobreza, castidade e obediência perpétuas e naquelas terras, tomava consciência de que era finalmente um missionário. Em menos de um ano, dominava o dialeto tupi na perfeição. Tendo assimilado perfeitamente as tradições e valores locais, ensinava os preceitos cristãos utilizando celebrações musicadas ao ritmo de tambores ao ar livre. Educava e catequizava; defendia os indígenas dos abusos dos colonizadores portugueses. A pé ou de barco, Anchieta viajou pelo País inaugurando missões e dando aulas de catequese, gramática e conhecimentos gerais aos índios, colonos e padres. Das mãos de P. Manoel da Nóbrega, o jovem Anchieta, poucos meses depois da chegada, recebeu a incumbência de fundar um colégio no planalto, com o objetivo de expandir a missão no interior da selva. No dia 25 de janeiro de 1554, festa litúrgica da conversão do apóstolo São Paulo, os jesuítas celebraram pela primeira vez a Eucaristia no chamado Planalto de Piratininga. O novo colégio foi dedicado ao Apóstolo dos Gentios. E São Paulo tornou-se uma das maiores cidades do mundo.
Os 44 anos em que Anchieta viveu no Brasil foram repletos de dificuldades. Começando pela enfermidade a sua missão teve inúmeros riscos de morte. Em maio de 1563, com o apoio dos franceses, a tribo dos Tamoios rebelou-se contra a colonização portuguesa. O jovem missionário ofereceu-se como refém enquanto o seu superior, P. Manoel da Nóbrega, partiu para São Vicente, para negociar um utópico, mas alcançado tratado de paz. Naquele lugar, o apóstolo, aos 29 anos de idade, experimentou um dos momentos mais difíceis da sua existência. Durante o seu cativeiro recebia frequentes ameaças de morte. Em 1569, fundou a povoação de Reritiba (atual Anchieta). De 1570 a 1573, dirigiu o Colégio dos Jesuítas do Rio de Janeiro. Em 1577, foi nomeado Provincial da Companhia de Jesus no Brasil, função que exerceu por dez anos, sendo substituído em 1587, a seu pedido. Faleceu a 9 de junho 1597. Aos 63 anos de idade, terminava a travessia por este mundo do incansável missionário José de Anchieta.


Fonte: Rádio Vaticana

0 comentários:

Postar um comentário

 
Top